Página Inicial
Acervo Iconográfico III
Heráldica e Vexilologia
Loja Virtual

LIVRO
Padre Sarmento de Benevides: poder e política nos sertões de Mombaça (1853-1867)
APOIO CULTURAL
Restaurante & Pizzaria Braseiro
DFL Limpeza Urbana
Lótus Produtos Dermocosméticos
Centro Comercial Pedro Tomé
Premium Hotel
MEMBRO
ASBRAP - Associação Brasileira de Pesquisadores de História e Genealogia
ACE - Associação Cearense dos Escritores
ANPUH - Associação Nacional de História
CRA-Ce - Conselho Regional de Administração do Ceará
Clique para ouvir o depoimento de Fernando Cruz à rádio Assembléia FM 96,7 sobre a história político-administrativa de Mombaça, em 16/03/2009.
PageRank

Voltar para a página anterior

Untitled Document

ÁLBUM DE FAMÍLIA

RAUGIT FERNANDES CRUZ

 


Raugit Fernandes Cruz e Antonia Lima Cruz.

Fernando Antonio Lima Cruz

Meus avós paternos, Raugit Fernandes Cruz (de terno escuro) e Antonia Lima Cruz (sentada, cujo nome de solteira era Antonia Marques de Lima), filhos respectivamente de Raymundo Nonato da Cruz e Maria Lins Cruz e de João Marques Evangelista (conhecido como João Lucas, do Sítio Picada) e Maria Ferreira Lopes.

Meu avô Raugit faleceu a 11 de junho de 1942, às 23:00 horas, na rua Cônego Leitão, s/nº, Castanhal-Pará, com 26 anos de idade, vítima de tuberculose pulmonar, conforme consta na certidão de óbito emitida em 12 de junho de 1942 pelo Tabelionato Freire da Silva (2º Ofício), cuja 2ª via obtive em 7 de dezembro de 2006.

Minha avó Antonia faleceu a 1º de junho de 1943, às 12:00 horas, no Hospital Domingos Freire, em Belém, aos 27 anos de idade, vítima de tuberculose, conforme consta na certidão de óbito emitida em 2 de junho de 1943 pelo 3º Tabelionato de Notas, de Belém, cuja 2ª via obtive em 27 de agosto de 2007.

No ano de 1945, meu pai Etevaldo Lima Cruz, juntamente com dois irmãos menores (Eládio e Maria Eliete), chegou ao município de Mombaça, onde foi criado por seus avós maternos, perdendo o vínculo com seus familiares paternos.

Segundo relatos de meu pai, meu avô Raugit contraiu tuberculose ao cair em um poço profundo. Minha avó Antonia, ao cuidar do esposo, também contraiu tuberculose, vindo a falecer um ano após o marido.

No período de março/1997 a março/1998 residi em Belém (inicialmente na Avenida Rodolfo Chermont, em Marambaia, e depois na Rua Diogo Móia, em Umarizal) quando trabalhava na multinacional farmacêutica Merck Sharp & Dohme.

Somente em 1998 (quando me preparava para retornar para Fortaleza), após 53 anos, meu pai retornou ao Estado do Pará, tendo a oportunidade de visitar suas tias Ophelia, em Castanhal, e Eromita, em Marituba.

Fotografia: Arquivo da família de Etevaldo Lima Cruz. No verso da fotografia há a seguinte dedicatória: Ao Etevaldo Lima Cruz uma lembrança da Vó Margarida. Brasília-DF, 25/07/1981.




© Copyright 2005-2019 Maria Pereira Web - Todos os direitos reservados.
David Elias - (85) 9954.0008