Página Inicial
Acervo Iconográfico III
Heráldica e Vexilologia
Loja Virtual

LIVRO
Padre Sarmento de Benevides: poder e política nos sertões de Mombaça (1853-1867)
APOIO CULTURAL
Restaurante & Pizzaria Braseiro
Lótus Produtos Dermocosméticos
Magazine Pneus
Centro Comercial Pedro Tomé
MEMBRO
ASBRAP - Associação Brasileira de Pesquisadores de História e Genealogia
ACE - Associação Cearense dos Escritores
ANPUH - Associação Nacional de História
CRA-Ce - Conselho Regional de Administração do Ceará
Clique para ouvir o depoimento de Fernando Cruz à rádio Assembléia FM 96,7 sobre a história político-administrativa de Mombaça, em 16/03/2009.
PageRank

Voltar para a página anterior

Untitled Document

ARTIGOS

DISCURSO DE APRESENTAÇÃO DO BRASÃO DE ARMAS DE MOMBAÇA

 


Brasão de Armas de Mombaça

Fernando Antonio Lima Cruz

Exma. Sr.ª Elidiana Carvalho, presidenta desta casa legislativa, demais vereadores, senhores e senhoras.

Sinto-me honrado em compor este plenário e participar da sessão deste poder que, há 160 anos, toma parte das decisões político-administrativas do município de Mombaça.

No dia 15 de janeiro de 1853, o município de Mombaça foi instalado com o topônimo de Maria Pereira, em homenagem à sesmeira pernambucana que é considerada a fundadora deste núcleo populacional.

Concomitantemente com a instalação do município foi empossada a sua 1ª Câmara Municipal, composta por sete membros, cujos vereadores foram eleitos a 7 de novembro de 1852, todos integrantes do Partido Conservador, que era liderado pelo padre e deputado provincial Antônio José Sarmento de Benevides.

Dentre os vereadores eleitos e empossados, assumiu a presidência da Câmara Municipal o vereador mais votado, conforme determinava a Constituição Política do Império, de 1824, o cidadão Manoel Procópio de Freitas, trisavô paterno do nosso amigo vereador Fernando Antonio Alves de Alencar, popularmente conhecido como Borel Alencar.

Portanto, de fato, a emancipação político-administrativa de Mombaça ocorreu por volta das 9 horas de uma manhã festiva do dia 15 de janeiro de 1853.

Àquela época a então vila de Maria Pereira, recém-instalada e emancipada, se resumia a umas 80 casas e uma pequena igreja, que servia de matriz, no mesmo local onde se localiza a atual matriz de Nossa Senhora da Glória.

Uma destas casas, no entorno da igreja, foi destinada para as funções da Câmara Municipal. Por conseguinte, nada mais simbólico, que o edifício Francisco Pinheiro Jota, que abriga esta casa legislativa, se situe neste local, também nas proximidades da igreja de Nossa Senhora da Glória.

Senhores e senhoras.

Há aproximadamente 60 dias tomei parte do projeto de criação do brasão de armas do nosso município. A este projeto dispendi esforços, dedicação e, acima de tudo, paixão, por estar prestando, de forma desinteressada, um serviço à nossa terra, às nossas raízes.

Mesmo sendo natural do vizinho município de Senador Pompeu, parafraseando o jurista, escritor, professor e político brasileiro Alcântara Machado (1875-1941), afirmo: “Mombacense sou, há trezentos anos.”

Faço tal afirmação com a convicção de quem tem no sangue os genes de dois dos primitivos desbravadores dos Sertões de Mombaça: pelo lado paterno, minha nonavó, a pernambucana Maria Pereira da Silva; pelo lado materno, meu pentavô, o capitão português Pedro da Cunha Lima.

Volto à Alcântara Machado (1875-1941) para citar um trecho de seu discurso de posse na Academia Brasileira de Letras - ABL, proferido no dia 4 de outubro de 1933, uma oração de amor à sua terra natal: “A fala provinciana, que me embalou no berço, descansada e cantada, espero ouvi-la ao despedir-se do mundo, nas orações da agonia. Só em minha terra, para minha terra, tenho vivido; e, incapaz de servi-la quanto devo, prezo-me de amá-la quanto posso.”

A confecção de um brasão de armas requer conhecimentos históricos e heráldicos, duas ciências interdisciplinares.

A heráldica é a arte e a ciência do brasão. Para a composição de um brasão de armas é necessário que se atenda a umas tantas regras, além de algumas leis, universalmente aceitas, que regem toda a sistematização heráldica. E uma dessas leis, conforme o heraldista Waldemar Baroni Santos, preconiza que “um brasão deve ser regular, simples e completo.” A este conjunto de regras e leis se chega a um brasão heraldicamente perfeito.

Lembramos que o brasão de armas pertence ao município de Mombaça e deverá ser utilizado como símbolo oficial, conforme preceitua a lei municipal que o cria e o regulamenta, tanto pela Prefeitura Municipal de Mombaça, como pela Câmara Municipal de Mombaça.

Conforme descrito na justificativa do projeto de lei da criação do brasão de armas do município de Mombaça: “O brasão ou escudo é a figura que, segundo as leis heráldicas, se constituem nas armas, isto é, sinais simbólicos da história e dos valores de um povo. A ideia é que o brasão de armas seja instituído como um dos símbolos oficiais do governo municipal, com o objetivo de coibir autopromoção, além de evitar despesas significativas relacionadas a modificações, devido a cada mudança de governo municipal. Por essa proposta, o brasão será utilizado, por exemplo, de forma padrão e exclusiva em peças de mídia exterior, propagandas, crachás, ofícios, circulares, placas de identificação, veículos e prédios públicos, etc., constituindo-se num símbolo oficial municipal, personalizando a gestão pública municipal e evitando-se o personalismo do gestor, em conformidade com o princípio da impessoalidade da administração pública.”

Finalizo agradecendo a algumas pessoas que contribuíram com o nosso trabalho: ao designer gráfico Thiago Cardoso Gurgel, ao vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente – CMDCA Averardo Ferreira da Silva, ao secretário municipal de Juventude, Esporte e Cultura Ney Werbson Moreira Alves, à primeira dama do município Jakelini Evangelista e, especialmente, ao prefeito municipal de Mombaça Ecildo Evangelista Filho, que nos confiou tão árdua e honrosa missão.

Muito obrigado a todos!

(Discurso proferido na sessão da Câmara Municipal de Mombaça que aprovou por unanimidade o projeto de lei enviado pelo prefeito municipal de Mombaça Ecildo Evangelista Filho que criou o brasão de armas do município, em 16/02/2013).
 




© Copyright 2005-2017 Maria Pereira Web - Todos os direitos reservados.
David Elias - (85) 9954.0008