Página Inicial
Acervo Iconográfico III
Heráldica e Vexilologia

LIVRO
Padre Sarmento de Benevides: poder e política nos sertões de Mombaça (1853-1867)
APOIO CULTURAL
Lótus Produtos Dermocosméticos
LS Combustíveis
Centro Comercial Pedro Tomé
Premium Hotel
MEMBRO
ASBRAP - Associação Brasileira de Pesquisadores de História e Genealogia
ACE - Associação Cearense dos Escritores
ANPUH - Associação Nacional de História
CRA-Ce - Conselho Regional de Administração do Ceará
Clique para ouvir o depoimento de Fernando Cruz à rádio Assembléia FM 96,7 sobre a história político-administrativa de Mombaça, em 16/03/2009.

Voltar para a página anterior

Untitled Document

ARTIGOS

O CICLO DO PODER POLÍTICO MOMBACENSE

 


Posse do industrial Elcias Vieira Alencar Benevides no exercício do cargo de prefeito municipal de Mombaça sucedendo a José Sidrião de Alencar Benevides, que posteriormente alterou o seu nome de batismo para José Jaime Benevides, no ano de 1955.

Tradicionalmente as famílias Benevides, Vieira, Alencar, Castelo e Martins estiveram no comando das ações políticas municipais. Sempre um membro destes grupos familiares ou apoiado por eles esteve à frente da administração pública, ou seja, no exercício do executivo municipal. Alguns fatores foram determinantes para que ocorresse este domínio político, entre eles, as relações familiares. (CRUZ, 2012, p. 240)

O ciclo do poder político proporciona a alternância dos grupos partidários no comando da administração pública municipal. E é sob esse ponto de vista que abordaremos neste breve texto o ciclo de poder de dois ex-prefeitos municipais de Mombaça entre a segunda metade do século XX até os dias atuais: José Jaime Benevides, cujo nome de batismo era José Sidrião de Alencar Benevides (1913-1988) e José Valdomiro Távora de Castro.

Com o fim do Estado Novo, a ditadura Vargas, nas eleições municipais de 7 de dezembro de 1947, José Sidrião de Alencar Benevides foi eleito vereador da Câmara Municipal de Mombaça para o quadriênio 1948-1951, da qual foi seu presidente. Foi prefeito municipal de Mombaça nos períodos de 1951-1955 e de 1963-1967 e 1971-1973 já sob o nome de José Jaime Benevides. Além de um mandato de vereador e de três mandatos de prefeito, José Jaime Benevides contribuiu para as eleições de três prefeitos municipais mombacenses: Elcias Vieira Alencar Benevides (1955-1959), José Valdomiro Távora de Castro (1973-1977) e Walderez Diniz Vieira (1977-1982), este último um adversário político apoiado por ele após renunciar à sua candidatura a prefeito nas eleições municipais de 1976 e romper com o diretório municipal do seu partido, a Aliança Renovadora Nacional (Arena). Não deixou herdeiros políticos. Seu filho, Bismarck Sá Benevides, candidato a vereador da Câmara Municipal de Mombaça nas eleições municipais de 1988, pelo PMDB, obteve 46 votos. Podemos considerar que a sua liderança na política mombacense se estendeu durante 25 anos, de 1951 a 1976.

Eleito para o seu primeiro mandato de prefeito municipal de Mombaça nas eleições muncipais de 1972, com o apoio de José Jaime Benevides, com quem romperia politicamente em 1976, José Valdomiro Távora de Castro além do mandato de 1973-1977, exerceu mais dois mandatos de prefeito nos períodos de 1983-1989 e de 1993-1996, totalizando 14 anos à frente do executivo municipal mombacense. Também teve papel preponderante nas eleições de dois prefeitos municipais mombacenses: Nelson Benevides Teixeira (1989-1992), cuja eleição teve o beneplácito do acordo celebrado entre o então prefeito José Valdomiro Távora de Castro e o ex-prefeito Walderez Diniz Vieira, respectivamente, as principais lideranças do PDS e do PMDB, para a composição de uma candidatura única em Mombaça, o que não ocorreu em virtude da candidatura do petista Nilson Alves do Nascimento, e Raimundo Benone de Araújo Pedrosa (1997-2000 e 2001-2004). Nas eleições municipais de 2004 não obteve êxito com a candidatura a prefeito de seu filho Roberto Benevides de Castro, dando sinais do esgotamento da sua liderança política, hoje abalada em virtude da sua idade avançada e de problemas de saúde, o que o afastaram das principais decisões da política local e cuja liderança se estendeu durante 32 anos.

A partir de 2012, com a eleição do prefeito Ecildo Evangelista Filho, se iniciou um novo ciclo na política mombacense com a implantação de um novo modelo administrativo na gestão pública municipal. Em 2016 esse modelo administrativo foi testado nas urnas e reconhecido pela população mombacense que o reconduziu para um segundo mandato e agora, no último dia 15 de novembro, foi referendado com a eleição, pela maioria dos eleitores mombacenses, de Orlando Benevides Cavalcante Filho para o cargo de prefeito municipal de Mombaça no quadriênio 2021-2024.

Orlando Filho que pertence às famílias Jota e Evangelista, pelo lado materno, e Benevides e Cavalcante, pelo lado paterno, se tornou o prefeito eleito mais jovem da história mombacense, aos 32 anos de idade, além de ser o primeiro membro da família Cavalcante, também conhecida como Tomé, a ocupar a chefia do poder executivo municipal, como também retomou uma tradição histórica: após 32 anos um membro da família Benevides voltou a ser eleito prefeito municipal de Mombaça.

(A ser publicado no jornal Folha de Mombaça, Ano XLV, nº 231, Dezembro/2020).




© Copyright 2005-2021 Maria Pereira Web - Todos os direitos reservados.
David Elias - (85) 99954-0008