Página Inicial
Acervo Iconográfico III
Heráldica e Vexilologia
Loja Virtual

LIVRO
Padre Sarmento de Benevides: poder e política nos sertões de Mombaça (1853-1867)
APOIO CULTURAL
Restaurante & Pizzaria Braseiro
Lótus Produtos Dermocosméticos
Magazine Pneus
Centro Comercial Pedro Tomé
MEMBRO
ASBRAP - Associação Brasileira de Pesquisadores de História e Genealogia
ACE - Associação Cearense dos Escritores
ANPUH - Associação Nacional de História
CRA-Ce - Conselho Regional de Administração do Ceará
Clique para ouvir o depoimento de Fernando Cruz à rádio Assembléia FM 96,7 sobre a história político-administrativa de Mombaça, em 16/03/2009.
PageRank

Voltar para a página anterior

Untitled Document
 

ARTIGOS

CARTA DE AGRADECIMENTO

 


Plácido Aderaldo Castelo

Pedro José Freire Castelo*

Senhor Presidente,

Neste ato solene, não nos move a pretensão de ser erudito na casa dos eruditos e, nem muito menos, fazer história na casa dos historiadores.

Aqui estamos nós com a grata incumbência de representar os 12 descendentes de Plácido e Netinha Castelo, em razão da comemoração do transcurso do centenário de nascimento do nosso saudoso pai.

No ano do seu centenário, poderíamos recordar seus feitos políticos, mediante a lembrança de sua atuação na Assembléia Legislativa ou de suas obras frente ao governo do Estado.

Poderíamos lembrar, igualmente, sua atuação como jornalista na “A Farpa”, no “Unitário” ou no “O Nordeste” ou, ainda, como redator do jornal “O Estado”.

De igual modo poderíamos fazer menção a sua atuação como Juiz Municipal de Juazeiro do Norte na época em que Padre Cícero ainda vivia, em que participou da criação da Escola Normal Rural, da Cooperativa de Crédito que se transformou em Banco do Juazeiro e, posteriormente, em BIC.

Não são menos relevantes suas iniciativas de criar o Instituto de Previdência do Estado do Ceará - IPEC, do Instituto do Algodão, de presidente da OAB - Ce, de batalhar pela criação da Faculdade de Veterinária do Ceará e da Escola de Administração do Ceará, de criar o Instituto do Câncer, de promover a interiorização do Banco do Estado do Ceará - BEC, de eletrificar sedes municipais e distritos, de construir estradas que ainda são extremamente importantes para nossa economia, como é o caso da “Estrada do Algodão” e, também da “Estrada Litorânea”.

No entanto, para seus filhos, o que consideramos relevante neste momento, e que efetivamente nos toca, é a lembrança da sua figura de pai. Pai vigilante, atento, de cobrador emérito, carinhoso, beijoqueiro, que não perdia oportunidade de ser afetuoso. Incutiu em cada um de nós, o senso da responsabilidade, da noção da transitoriedade do poder e - disto, podem ter certeza -, pois que não nos deixava usar carro oficial em nossas locomoções. Da devolução ao erário de diárias recebidas e não utilizadas por ele por ocasião de viagens oficiais.

Nós tivemos o exemplo vivo da austeridade, do respeito intransigente ao que era público, do compromisso de bem servir, como se diria hoje - tudo em tempo real.

Convivemos e vivenciamos, também, o sertanejo saudosista, pois nada era mais importante para ele que a Mombaça dos seus afetos, a Mombaça do Banabuiú.

Senhor presidente, permita-nos, neste ensejo, solicitar ao Dr. Lúcio Alcântara, político de larga sensibilidade histórico-cultural, provado que foi quando Senador da República e esteve à frente do Instituto Teotônio Vilela, para que re-edite a monografia nº 22 da Coleção Instituto do Ceará - História do Ensino do Ceará, de autoria de nosso pai, da mesma forma como aconteceu com a História das Secas, de Joaquim Alves.

Ao fim, gostaríamos de expressar o nosso mais alto reconhecimento ao Instituto do Ceará - na pessoa do seu presidente Dr. Manoel Eduardo Pinheiro Campos, entidade da maior representatividade no que diz respeito à pesquisa e aos estudos sobre o nosso Estado no tocante à história, geografia e a antropologia, pela realização desta sessão solene, pois aqui ao que nos parece, comemora-se - duplamente -, o centenário de um político que governou o Estado do Ceará, mas que antes disso teve o privilégio de pertencer a este sodalício na condição de sócio efetivo, desenvolvendo trabalhos em prol da cultura cearense.

Da mesma forma, agradecemos ao Exmo. Sr. Governador Lúcio Alcântara pelo apoio e co-patrocínio desta comemoração, sem o que dificilmente ela seria concretizada e, mais ainda, caracterizada pela simplicidade. Aliás, muito ao feitio e gosto do homenageado.

Muito obrigado! 


Prof. Pedro Castelo

*Pedro José Freire Castelo. Professor. Filho do ex-governador do Estado do Ceará Plácido Aderaldo Castelo. Pronunciamento feito durante a sessão especial comemorativa ao 1º centenário de nascimento de Plácido Aderaldo Castelo, ocorrida em 27/01/2006, no Auditório Pompeu Sobrinho do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico).


© Copyright 2005-2017 Maria Pereira Web - Todos os direitos reservados.
David Elias - (85) 9954.0008