Página Inicial
Acervo Iconográfico III
Heráldica e Vexilologia
Loja Virtual

LIVRO
Padre Sarmento de Benevides: poder e política nos sertões de Mombaça (1853-1867)
APOIO CULTURAL
Restaurante & Pizzaria Braseiro
Lótus Produtos Dermocosméticos
Magazine Pneus
Centro Comercial Pedro Tomé
MEMBRO
ASBRAP - Associação Brasileira de Pesquisadores de História e Genealogia
ACE - Associação Cearense dos Escritores
ANPUH - Associação Nacional de História
CRA-Ce - Conselho Regional de Administração do Ceará
Clique para ouvir o depoimento de Fernando Cruz à rádio Assembléia FM 96,7 sobre a história político-administrativa de Mombaça, em 16/03/2009.
PageRank

Voltar para a página anterior

Untitled Document

PEDRO DA CUNHA LIMA

BIOGRAFIA

 

O capitão Pedro da Cunha Lima, um dos primeiros habitantes de Mombaça, era natural de Ponte de Lima, Portugal, filho de Manoel Cerqueira da Cunha e de Maria de Sá da Cunha. Casou-se com Ana Maria de Jesus, filha dos portugueses João Francisco Florim e Luzia dos Santos. Foi um dos grandes pecuaristas dos sertões de Mombaça. Do seu inventário procedido em 1787, cujo inventariante foi o seu genro Manoel Pinto Nogueira, consta que foi possuidor de muitos bens. Além de muitas terras, constam 1.352 gados vacuns (avaliados em 1:451$333), 148 gados cavalares (avaliados em 564$100) e 13 escravos (avaliados em 832$000). Segundo o historiador Rafael Ricarte da Silva, em sua dissertação de mestrado intitulada Formação da elite colonial dos Sertões de Mombaça: terra, família e poder (Século XVIII), "O valor de todos os bens descritos no inventário somava 8:227$335 (oito contos duzentos e vinte e sete mil trezentos e trinta e cinco réis), sendo o inventário dos 27 analisados o que apresentou o maior montante". Residia na fazenda Casa Forte, à margem do rio Banabuiú, a cinco léguas da cidade de Mombaça, lado do poente. Foi sepultado na Igreja Matriz de Santo Antonio de Quixeramobim no dia 25 de julho de 1787.


Igreja Matriz de Santo Antonio de Quixeramobim, onde o capitão Pedro da Cunha Lima foi sepultado "das grades para cima" no dia 25 de julho de 1787.

Do seu casamento com Ana Maria de Jesus, nasceram quatro filhos:

1 - Manoel da Cunha Lima, tenente, natural de Recife-PE, casou-se com Luiza Pereira de Azevedo, também conhecida como Luiza Rodrigues Pereira, filha de José Rodrigues Pinto e de Lourença Pereira de Azevedo, no dia 12/06/1767, na capela Nossa Senhora do Rosário, Aracati-CE;

2 - José Francisco de Sales, natural de Recife-PE, casou-se com Maria de Jesus Pereira de Castro, natural de Pau dos Ferros-RN, filha de Antonio de Castro e de Josefa Maria da Conceição, às 17 horas do dia 10/01/1774, na Matriz de Santo Antonio, Quixeramobim-CE. Foram testemunhas, o coronel José Rodrigues Pereira Chaves e o capitão Manuel José da Rocha Dantas;

3 - Joana Teodora de Jesus, casada em primeiras núpcias com Pedro Vieira de Mello e em segundas núpcias com Jerônimo Ferreira de Souza;

4 - Ignácia Maria de Jesus, casada em primeiras núpcias com José Leite Barbosa e em segundas núpcias com Tomás Ferreira de Magalhães (septavós do Sr. Manuel Costa Sobrinho, pai do desembargador José Arísio Lopes da Costa, ex-presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará / TJ-CE).


Assinaturas do capitão Pedro da Cunha Lima e de seu filho José Francisco de Sales, testemunhas do casamento de seus escravos Anastácio e Quitéria, celebrado pelo padre Frei Domingos de Santa Isabel, na Fazenda dos Campos, no dia 12 de janeiro de 1776 (Diocese de Quixadá, Paróquia de Quixeramobim, Livro de Casamentos nº 01, iniciado a 16/11/1755 e finalizado a 29/07/1800).

Enviuvando, o capitão Pedro da Cunha Lima uniu-se à mulata Rita Maria (segundo Augusto Tavares de Sá e Benevides, em Mombaça: biografia de um sertão, 1980, p. 59), que seria filha de pai branco e mãe preta, ou vice-versa, escrava, que foi alforriada ao nascer a sua primeira filha, e de cuja união nasceram os seguintes filhos:

1 - Angélica Maria de Jesus, casada com Manoel Pinto Nogueira;

2 - Pedro da Cunha Lima;

3 - José dos Reis Lima;

4 - Luís da Cunha Lima;

5 - Francisco da Cunha Lima.


Aos vinte cinco de julho de mil setecentos e oitenta sete anos nesta Igreja Matriz de Santo Antonio de Quixeramobim das grades para cima foi sepultado o corpo do defunto Pedro da Cunha Lima viúvo natural de Portugal de idade de sessenta (?) e tantos anos [...] foi envolto em hábito de São Francisco. [...] (Diocese de Quixadá, Paróquia de Quixeramobim, Livro de Óbitos nº 01, iniciado a 10/12/1755 e finalizado a 26/11/1811, folha 87).

A Câmara Municipal de Mombaça aprovou requerimento do vereador Fernando Antonio Alves de Alencar e o prefeito municipal de Mombaça Ecildo Evangelista Filho sancionou a Lei Municipal nº 866/2015, de 8 de outubro de 2015, denominando nome de logradouro público no bairro Centro da sede do município de Mombaça de Travessa Capitão Pedro da Cunha Lima, que começa na rua Dona Anésia Castelo Meireles, terminando na rua Antonio Evangelista Sobrinho, detrás da agência do Banco Bradesco.

Segundo o vereador Fernando Antonio Alves de Alencar (Borel Alencar) o requerimento foi uma homenagem justa e merecida, pelo fato do homenageado, natural de Ponte de Lima, Portugal, ter sido um dos primitivos desbravadores dos sertões de Mombaça no século XVIII e ter deixado uma vasta descendência que ainda hoje habita os territórios mombacense e pedrabranquense, representada nas famílias Lima (os Fagundes e os Cosme), Costa, Cavalcante (de Pedra Branca), entre outras.

(Fontes: Formação da elite colonial dos Sertões de Mombaça: terra, família e poder (Século XVIII), de Rafael Ricarte da Silva; Minha árvore genealógica, de Manuel Costa Sobrinho; Mombaça: biografia de um sertão, de Augusto Tavares de Sá e Benevides; Uma Família do Aracati - Ascendentes do Padre Ibiapina, de Francisco Augusto, disponível em http://familiascearenses.com.br/images/PINTO.pdf. Acesso em 20 jun. 2007)







© Copyright 2005-2017 Maria Pereira Web - Todos os direitos reservados.
David Elias - (85) 9954.0008