Página Inicial
Acervo Iconográfico III
Heráldica e Vexilologia
Loja Virtual

LIVRO
Padre Sarmento de Benevides: poder e política nos sertões de Mombaça (1853-1867)
APOIO CULTURAL
Restaurante & Pizzaria Braseiro
DFL Limpeza Urbana
Lótus Produtos Dermocosméticos
Magazine Pneus
Centro Comercial Pedro Tomé
Premium Hotel
MEMBRO
ASBRAP - Associação Brasileira de Pesquisadores de História e Genealogia
ACE - Associação Cearense dos Escritores
ANPUH - Associação Nacional de História
CRA-Ce - Conselho Regional de Administração do Ceará
Clique para ouvir o depoimento de Fernando Cruz à rádio Assembléia FM 96,7 sobre a história político-administrativa de Mombaça, em 16/03/2009.
PageRank

Voltar para a página anterior

Untitled Document

LEONARDO FERREIRA MARQUES

BIOGRAFIA

 


Retrato a óleo do Barão de São Leonardo, de autoria de Vienot e Morillet, 1889, pertencente ao acervo do Museu do Ceará.

Leonardo Ferreira Marques nasceu no Sítio Fortuna, em Mombaça-CE, a 8 de agosto de 1817 e faleceu em Fortaleza-CE, a 9 de junho de 1894, aos 76 anos de idade, onde foi sepultado. Era filho de Raimundo Ferreira Marques e de Tomásia Ferreira Marques, tetraneto de Maria Pereira da Silva (uma das primeiras habitantes e fundadora da cidade de Mombaça) e sobrinho de Pedro Ferreira Marques, pentavô paterno do editor deste site. Teve três irmãos: José Ferreira Marques Brasil (velho Zuza do Riacho Verde), Bento Ferreira Marques Brasil (Capitão Bento Brasil) e Antônia Ferreira Marques (que foi casada com Francisco Aderaldo de Aquino, bisavós maternos do ex-governador do Estado do Ceará Dr. Plácido Aderaldo Castelo).

Membro da Guarda Nacional, de dezembro de 1838 a janeiro de 1841, participou como voluntário da rebelião dos Balaios ou “Balaiada” no posto de capitão, pacificando, ao lado do então coronel Luís Alves de Lima e Silva, posteriormente Duque de Caxias, patrono do Exército brasileiro, as províncias conflagradas do Maranhão, Piauí e Ceará. Já como coronel recebeu do governo imperial as comendas “Imperial Ordem da Rosa” e “Imperial Ordem do Cruzeiro”. Foi 1º vice-presidente da Província do Amazonas, chegando a assumir a presidência a 24 de agosto de 1868, por um período de três meses. O título nobiliárquico foi concedido por D. Luís I (1838-1889), 32º rei de Portugal, por Carta de Título de 23 de novembro de 1870, conforme Registro Geral de Mercês de D. Luís I, livro 23, folha 209 (Arquivo Nacional da Torre do Tombo). O Barão de São Leonardo foi um dos primeiros acionistas da Estrada de Ferro de Baturité, em 1882.

Foi casado com a francesa Aline Gauthier, Baronesa de São Leonardo, nascida a 1º de julho de 1823 e falecida a 10 de julho de 1904, aos 81 anos de idade, com quem teve quatro filhos. Leonardo Ferreira Marques, o Barão de São Leonardo, e Aline Gauthier, a Baronesa de São Leonardo, foram sepultados no Cemitério São João Batista, em Fortaleza-Ce. Em seu testamento datado de 20 de março de 1887, o Barão de São Leonardo declara que o seu enterro seja feito modestamente.

Chapeleiro em estilo medieval que pertenceu a Leonardo Ferreira Marques, o Barão de São Leonardo, que o adquiriu em Paris por ocasião de uma de suas viagens à Europa, encontra-se exposto no Memorial do Poder Judiciário do Estado do Ceará. Na galeria dos benfeitores da Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza está aposto o seu retrato a óleo. Compõem o acervo do Museu do Ceará retratos pintados a óleo do Barão e da Baronesa de São Leonardo.

Muito lhe devem a Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza e a Estrada de Ferro de Baturité, que dele obtiveram valiosa contribuição assistencial e material.

(Fontes: BENEVIDES, Augusto Tavares de Sá e. Mombaça: biografia de um sertão. Fortaleza: Imprensa Oficial do Ceará, 1980; CASTELO, Plácido Aderaldo. O Barão de São Leonardo. Fortaleza: Imprensa Oficial do Ceará, 1942; COSTA SOBRINHO, Manuel. Minha árvore genealógica. Fortaleza: [sine nome], 1997; Arquivo Público do Estado do Ceará - APEC)


© Copyright 2005-2017 Maria Pereira Web - Todos os direitos reservados.
David Elias - (85) 9954.0008