Página Inicial
Acervo Iconográfico III
Heráldica e Vexilologia
Loja Virtual

LIVRO
Padre Sarmento de Benevides: poder e política nos sertões de Mombaça (1853-1867)
APOIO CULTURAL
Restaurante & Pizzaria Braseiro
Lótus Produtos Dermocosméticos
Magazine Pneus
Centro Comercial Pedro Tomé
MEMBRO
ASBRAP - Associação Brasileira de Pesquisadores de História e Genealogia
ACE - Associação Cearense dos Escritores
ANPUH - Associação Nacional de História
CRA-Ce - Conselho Regional de Administração do Ceará
Clique para ouvir o depoimento de Fernando Cruz à rádio Assembléia FM 96,7 sobre a história político-administrativa de Mombaça, em 16/03/2009.
PageRank

Voltar para a página anterior

Untitled Document

ACERVO ICONOGRÁFICO III

 


Mombaça em 1983. A Escola Integrada e o Colégio Agrícola de Mombaça foram criados por meio do Decreto nº 9.159, de 30 de março de 1970, publicado no Diário Oficial do Estado do Ceará (D.O.E. nº 10.327, caderno 11, página 2706, de 02/04/1970). Ocupando uma área de 240 hectares (equivalente a 2,4 km²), desapropriada do imóvel rural denominado de Amontada, de propriedade do casal Francisco Sales Gonçalves e Francisca Gonçalves Costa, por meio do Decreto nº 8.242, de 6 de outubro de 1967, publicado no Diário Oficial do Estado do Ceará (D.O.E. nº 9.717, caderno 11, páginas 7975-7976, de 10/10/1967), as unidades escolares tinham o objetivo de “ministrar à juventude rural o ensino fundamental e técnico profissional agrícola de grau médio, com o currículo escolar dividido em 2 (dois) ciclos”, formando técnicos em agropecuária.
O Colégio Agrícola de Mombaça, conforme o seu decreto de criação, tinha em sua grade curricular as seguintes disciplinas, a serem ministradas nas três séries do curso técnico profissional, com um total de 38 aulas semanais: I – CULTURA GERAL (Português, Matemática, Biologia, Química, Desenho (optativa), Física e Educação Moral e Cívica); II – CULTURA TÉCNICA (Agricultura, Zootécnica, Indústrias Rurais, Mecânica Agrícola e Economia Rural) e III – PRÁTICAS EDUCATIVAS (Educação Física e Programa Agrícola Orientado).
Posteriormente foi extinto o ensino fundamental, permanecendo a formação técnica. Com a falência da agricultura no semiárido nordestino e a ausência de mercado de trabalho para técnicos em agropecuária o colégio fechou as suas portas com a extinção do ensino técnico. O colégio retomou as suas atividades, sob o nome de Escola Estadual de Educação Profissional Professor Plácido Aderaldo Castelo, oferecendo o ensino médio profissionalizante com os cursos de Administração, Agroindústria e Informática.
Foto: Acervo da Biblioteca Central do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.

Untitled Document


© Copyright 2005-2017 Maria Pereira Web - Todos os direitos reservados.
David Elias - (85) 9954.0008