Página Inicial
Acervo Iconográfico III
Heráldica e Vexilologia
Loja Virtual

LIVRO
Padre Sarmento de Benevides: poder e política nos sertões de Mombaça (1853-1867)
APOIO CULTURAL
Restaurante & Pizzaria Braseiro
Lótus Produtos Dermocosméticos
Magazine Pneus
Centro Comercial Pedro Tomé
MEMBRO
ASBRAP - Associação Brasileira de Pesquisadores de História e Genealogia
ACE - Associação Cearense dos Escritores
ANPUH - Associação Nacional de História
CRA-Ce - Conselho Regional de Administração do Ceará
Clique para ouvir o depoimento de Fernando Cruz à rádio Assembléia FM 96,7 sobre a história político-administrativa de Mombaça, em 16/03/2009.
PageRank

Voltar para a página anterior

Untitled Document

HISTÓRIA


Representação da vila de Maria Pereira, no século XIX, réplica em óleo sobre tela (100 cm x 70 cm), de autoria de Kleber Pinheiro (2005).

CRIAÇÃO DO MUNICÍPIO

 

A pequena povoação de Maria Pereira foi desmembrada da vila de Quixeramobim, sob protestos da mesma, e elevada à categoria de vila através da Resolução ou Lei nº. 555, de 27 de novembro de 1851, sancionada pelo então presidente da Província, Dr. Joaquim Marcos de Almeida Rego, primeiro médico que governou o Ceará.

No ano de 1852, a 7 de novembro, em eleição tumultuada que deveria ter acontecido no dia 7 de setembro (consta que o presidente Rego arbitrariamente prorrogara a eleição da câmara e de juízes de paz desta freguesia para que o padre Antônio José Sarmento de Benevides pudesse assisti-la), o Partido Conservador elegeu os sete vereadores que comporiam a 1ª Câmara Municipal da nova vila. Segundo o jornal “O Cearense”, de tendência liberal, foi necessário reforçar o destacamento com uma tropa de linha para que o padre Sarmento de Benevides (deputado provincial em oito legislaturas) não deixasse entrar na igreja, local da votação, um só oposicionista, além de processarem clandestinamente o coronel Rodrigo Francisco Vieira e Silva (bisavô paterno do ex-prefeito de Mombaça Walderez Diniz Vieira [1977-1983]), líder do Partido Liberal, para que o mesmo não pudesse comparecer à eleição.

Feita a apuração, saíram eleitos vereadores: Manoel Procópio de Freitas, José Joaquim de Sá e Benevides, José Gonçalves de Carvalho, Antônio Cláudio de Almeida, Francisco Aderaldo de Aquino, João Alves de Carvalho Gavião e Francisco de Góis e Melo, todos filiados ao Partido Conservador.

Em 15 de janeiro de 1853, a Câmara Municipal tomou posse e entrou em exercício, assim como, de fato, instalou-se a nova vila, emancipando-se político-administrativamente da vila de Quixeramobim, tendo como seu 1º presidente Manoel Procópio de Freitas (pai do desembargador Américo Militão de Freitas Guimarães, 1º vice-presidente da província do Ceará e que, com a morte do Dr. Antônio Caio da Silva Prado, assumiu a presidência no período de 25 de maio a 10 de julho de 1889, quando a entregou ao presidente nomeado, senador Henrique Francisco d'Ávila).

(Fontes: Mombaça: biografia de um sertão, de Augusto Tavares de Sá e Benevides; Arquivo Público do Estado do Ceará - APEC)

Música-tema da página: Odeon, de Ernesto Júlio Nazareth (1863-1934), pianista e compositor brasileiro, considerado um dos grandes nomes do "tango brasileiro" ou, simplesmente, choro.


© Copyright 2005-2017 Maria Pereira Web - Todos os direitos reservados.
David Elias - (85) 9954.0008